Especialista afirma que árvores podem fazer amigos e cuidar umas das outras

As árvores não são “robôs orgânicos” que apenas produzem oxigênio e madeira. Elas são capazes de escolher o que fazer, têm memórias e até diferentes personalidades. Também são capazes de fazer amizade e ajudar umas às outras. Quem diz é o alemão Peter Wohlleben, especialista em árvores e guarda-florestal com anos de experiência.

No ano passado, ele lançou um livro, chamado A Vida Escondida das Árvores (ainda sem versão brasileira), que se tornou best-seller na Alemanha e foi traduzido em 19 idiomas, inclusive o português de Portugal. Nele, o autor explica de forma descontraída o que aprendeu nas décadas em que trabalhou nas florestas do país.

Segundo Peter, as florestas são uma grande comunidade que vive em conjunto. “Quando estudava, aprendi que as árvores competem entre si por luz e por espaço. Anos depois, percebi que era o contrário: elas se ajudam”. A conclusão veio quando, passeando pela floresta da qual ele cuida, perto da fronteira com a Bélgica, encontrou um toco de árvore ainda vivo.

O toco tinha de 400 a 500 anos de idade, e nenhuma ramificação ou folha. Como ele poderia continuar vivo? A resposta que ele encontrou é que as árvores ao redor lhe transmitiam uma solução açucarada através das raízes, o que permitia que ele continuasse se nutrindo.

As árvores se comunicam através de sinais elétricos transmitidos pelas raízes e por sinais químicos através dos enormes fungos que ficam sob o solo. Elas avisam umas às outras sobre perigos como insetos, períodos de seca ou mesmo a ação humana, com galhos sendo cortados.

A visão de Peter sobre as árvores nem sempre foi essa: por vários anos ele trabalhou cuidando delas para que se tornassem boas fontes de madeira. Ele escolhia quais estavam prontas e as cortava. Seu olhar mudou quando, guiando grupos pela floresta, percebeu que os turistas gostavam de árvores retorcidas, que ele considerava ruins para a derrubada.

Esses troncos tortos o fizeram perceber que nem sempre as árvores disputam o espaço: às vezes elas fazem o possível para crescer sem atrapalhar as vizinhas, demonstrando grande senso de comunidade. “Não sabemos nem de metade do que acontece sob a terra, e, no último século, a ciência olha para a natureza como se ela fosse uma máquina”.

Peter diz também que as árvores nem sempre são amigáveis, e algumas vezes se unem contra outras espécies para preservar seus recursos. “Faias costumam não aceitar a presença de carvalhos, os atrapalhando até que eles enfraqueçam”. E cada espécie tem uma personalidade: “Salgueiros são solitários, suas sementes voam longe e as árvores crescem rápidas. Mas, sozinhas, não vivem muito”. Já as árvores nas cidades estão, segundo ele, “isoladas e lutando contra as probabilidades, já que não têm raízes fortes”.

Mas ele não gosta de ser visto como um “abraçador de árvores”, como ele mesmo define. Peter ressalta que o que ele escreve é apoiado por pesquisas científicas, como as da Professora Suzanne Simard, da Universidade de British Columbia, a quem ele se uniu para lançar um documentário, chamado Intelligent Trees (“Árvores Inteligentes”), com o objetivo de espalhar seus conhecimentos.

 

Anúncios