O segredo para a cura

” Em verdade vos digo”, disse Jesus: Se vossa fé for do tamanho de um grão de mostarda e se disserem a essa montanha: Mova-se, ela se moverá; para vós, nada será impossível…

Nossa fé na afirmativa que Jesus fez com relação a mover a montanha é mais do que simplesmente pronunciar as palavras enunciando que a montanha se moveu. A parábola de praticamente 2.000 anos atrás, nos ensina uma linguagem poderosa para escolhermos qual realidade queremos dentre as infinitas possibilidades que existem.

Neville ao descrever a fé, mediante o ato de “persistirmos” na suposição de que nosso desejo foi atendido, verificamos que o mundo inevitavelmente  cumpriu a expectativa que tínhamos. No exemplo da montanha, quando realmente sabemos que ela já se moveu, nossa fé/crença/hipótese de que o fato aconteceu é a energia que catapulta a possibilidade transformando-a em nossa realidade. No âmbito de todas as possibilidades quânticas, a montanha não tem outra escolha – ela tem de se mover.

O exemplo a seguir, ilustra como pode ser simples e natural esse tipo de convicção e fé.

Um filme mostra uma mulher de meia idade que apresentava um tumor na bexiga diagnosticado pelos médicos ocidentais como maligno e acreditavam que ele era inoperável. Mas em um hospital em Pequim, China, que não utiliza de medicamentos, mas sim de métodos não tradicionais realizou a cura milagrosa do tumor.

Segundo os médicos desse hospital, o segredo para a cura reside na capacidade de focalizar a emoção e energia de nosso corpo ou do nosso ente querido (com a permissão da pessoa), de uma maneira cheia de compaixão, mas que não fosse invasiva.

A mulher havia ido até a clínica como último recurso, pois tudo o que tentara havia falhado. A clínica enfatizava a responsabilidade pessoal nos cuidados com a saúde e propiciava um novo e positivo modo de viver, em vez de simplesmente “consertar” as pessoas e mandá-las pra casa. Esses protocolos incluíam novos hábitos alimentares, formas suaves de se movimentar para estimular  a força vital (chi) no corpo, além de novos métodos de respiração. Apenas com mudanças no estilo de vida, o corpo se fortalece e pode se curar dentro das possibilidades.

A mulher deitada em uma maca, estava desperta, plenamente consciente, não tinha recebido sedativo e nem estava sedada. Três médicos com seus uniformes brancos permanecem a seu lado, enquanto um técnico de ultra-som, sentado em frente a ela, segurava o bastão sensor de criação do sonograma que revelaria a massa do tumor no interior de seu corpo. Tudo estava acontecendo em tempo real, sendo possível acompanhar o passo a passo da cura obtida pelos médicos.

O filme foi curto, durou menos do que 4 minutos. Dentro desse intervalo foi possível ver o que se considera um milagre segundo os padrões da medicina ocidental. Entretanto, considerando o contexto holográfico, tudo o que se passou foi perfeitamente compreensível. Os médicos convergiram para um dizer único, capaz de fortalecer dentro deles um tipo especial de sentimento. Nutrindo o sentimento de que o desejo já foi satisfeito, a emoção dos médicos foi simplesmente sentir que a mulher já estava curada. Ainda que soubessem que o tumor tinha existido durante os momentos do processo, eles também reconheceram que a presença do tumor era apenas uma possibilidade dentre as muitas que existiam. Naquele dia eles promulgaram o código que clama por outra possibilidade.

Os médicos durante o processo repetiam um mantra de palavras variadas que poderia ser traduzido livremente como: “já feito, já feito”. Logo no início parecia que nada estava acontecendo. Repentinamente, o tumor começou a tremular, aparecendo e desaparecendo, como se oscilando entre as realidades. Passados alguns instantes, o tumor esvaiu-se, desaparecendo completamente. Todo o restante estava lá, como estava em segundos antes – Tudo igual, exceto o tumor que ameaçara a vida da mulher.

A sala parecia a mesma. Os médicos e os técnicos estavam presentes e nada fantasmagórico parecia ter acontecido em nenhum outro lugar, simplesmente a circunstância que antes  havia ameaçado a vida da mulher tinha desaparecido.

Com um pouco de fé podemos mover montanhas… Eram 6 pessoas no local da cirurgia, incluindo a mulher. Aplicando a fórmula da raiz quadrada que conduzia a 1% da população presente na sala era de apenas 0,244 de pessoa! Com menos de uma pessoa cumprindo aquela exigência de crença absoluta de que a cura já tinha se produzido, a realidade física do corpo da mulher foi mudada.

Meditação transcendental

Estudos científicos apontam que quando as pessoas dentro de um grupo compartilham experiências comuns de consciência, os efeitos podem ser detectados além do grupo propriamente dito, ou até mesmo fora do ambiente onde pessoas encontram-se reunidas.

Experiência interiores estão acontecendo por meio de caminhos sutis e de maneira a não ficarem restritas pelas assim chamadas “leis da física”, tão pouco limitadas pela vizinhança imediata. Um exemplo desse fenômeno fica evidente quando se observa o efeito que a meditação transcendental pode ter sobre grandes populações.

Em 1972, vinte e quatro cidades dos EUA com mais de 10.000 habitantes experimentaram mudanças significativas em suas comunidades quando apenas cerca de 1% de suas populações participou dos estudos. Os participantes usaram técnicas de meditação específicas para criarem experiências interiores de paz que se refletiram em torno deles. Chama-se a isso de “Efeito Maharishi”, em homenagem a Maharishi Mahesh Yogi, autor da afirmativa de que, quando os métodos de meditação que divulgava fossem praticados por 1% de uma população, seria observado uma redução nas taxas de violência e crimes dessa população.

Maharishi Mahesh Yogi

Foto: https://www.theage.com.au/education/school-puts-stress-on-staying-calm-20121019-27wgr.html

Esse estudo e estudos semelhantes levaram ao histórico: Projeto de Paz Internacional no Oriente Médio. Durante a guerra israelense-libanesa do início da década de 1980, os praticantes foram treinados em técnicas precisas de meditação transcendental para promover a paz em seu corpo, em vez de simplesmente pensarem sobre isso ou orarem para que isso acontecesse.

Em dias específicos do mês e em determinados momentos dos dias , essas pessoas eram colocadas em áreas devastadas pela guerra no Oriente Médio. Durante o breve intervalo em que elas estiveram em paz, era sensível o declínio no número de incidentes terroristas, crimes contra a população, entradas em pronto-socorros e acidentes de tráfego. Quando os participantes interrompiam a meditação, as estatísticas regrediam. Os estudos confirmaram os resultados encontrados inicialmente: quando uma pequena porcentagem da população conseguia a paz interior, essa paz era refletida no mundo em torno delas.

Os resultados levavam em conta os dias da semana, os feriados e até mesmo os ciclos lunares. Eram tão coerentes que os pesquisadores foram capazes de identificar o número mínimo de pessoas com paz interior que era preciso ter antes do efeito se espelhar no mundo circunvizinho: era igual à raiz quadrada de 1% da população. Esse é apenas o número básico necessário para o efeito ser iniciado. Quanto mais pessoas participarem, mais evidentes serão os resultados. Podemos aplicar esse princípio  a nossa vida para qualquer grupo de pessoas, independentemente de se tratar de uma comunidade pequena, da congregação de uma igreja, de uma cidade grande ou de um planeta inteiro.

O poder da oração

Durante muito tempo achava-se que a menor partícula de uma célula, o átomo, era composto de matéria. Depois descobriram que na verdade a maior parte de um átomo é vácuo, então, achava-se que o núcleo, que é muito pequeno, seria material. Essa ideia caiu por terra, quando por intermédio de microscópios eletrônicos muito potentes, verificou-se que o núcleo de um átomo é apenas energia condensada, não é matéria.Mas, se tudo que existe no mundo material é feito de um conjunto de células, estas são feitas de átomos. E se um átomo que forma qualquer coisa não é material, então em nível microscópio nada é material, tudo é vibração, tudo é energia condensada.

Vivemos num universo de vibração e nossos corpos são feitos a partir da vibração da energia que emanamos constantemente. O que você pensa a respeito de si mesmo, de sua saúde e de seu corpo?

Apesar de pouco conhecido, ainda, a descoberta do grande código Isaías, nas cavernas do Mar Morto, em 1946, revelou as chaves sobre o nosso papel na criação. Entre estas chaves encontram-se as instruções de um “modelo perdido de oração”, que a ciência quântica moderna sugere que tenha o poder de curar nossos corpos, trazer paz duradoura a nosso mundo e, talvez, prevenir as grandes tragédias que a humanidade poderia e poderá enfrentar.

Com as palavras de seu tempo, os Essênios nos lembram que toda a oração já foi atendida por Deus. Qualquer resultado que possamos imaginar, e cada possibilidade que sejamos capazes de conceber é um aspecto da criação que já foi criado e existe no presente como um estado “adormecido” de possibilidade.

A física quântica já foi apelidada de física das possibilidades, por nos dizer que tudo que imaginamos encontra-se disponível como uma das possibilidades que vamos assimilar em nossas vidas. Só devemos atrair o que desejamos por intermédio de nossos pensamentos.

CRIAR, ATRAIR OU ACESSAR. A partir desta perspectiva, nossa oração, baseada nos sentimentos, deixa de ser algo por obter, e se converte em acessar o resultado desejado, que já está criado no mundo vibracional (quântico, atômico) das infinitas possibilidades. Ou seja, nada é impossível quando temos um desejo sincero. Este desejo torna-se parte das nossas possibilidades futuras no nível quântico. Só precisamos sintonizá-lo.

Então, já sabemos que a ciência atual consegue provar, através da teoria quântica, que pensamento é energia, que toda a energia tem uma vibração e que a vibração cria o mundo material. Nossos corpos, e tudo ao nosso redor foi, e continua sendo criado através das nossas mentes coletivas.

Também sabemos que a luz é uma fonte de energia, então a que estão conectadas as partículas de luz? Gregg Braden diz que, sendo levados a aceitar a possibilidade de que existe um novo campo de energia e que o DNA está se comunicando com os fótons por meio deste campo.


EXPERIMENTO 1-  Foi recolhida uma amostra de leucócitos de vários doadores. Estas amostras foram colocadas numa sala com um equipamento de medição das alterações elétricas. O doador era colocado em outra sala e submetido a estímulos emocionais, provocados por vídeos que lhes causavam emoções. O DNA era colocado em local diferente do doador, mas no mesmo prédio. O doador e seu DNA eram monitorados e quando o doador mostrada alterações emocionais, medidas em ondas elétricas, o DNA, visualizado com microscópios muito potentes, expressava respostas idênticas e simultâneas. O objetivo era saber a que distância poderiam estar separados o doador do seu DNA para que o efeito continuasse a ser observado. Pararam de fazer provas quando chegaram a uma distância de 80 Km entre o DNA e seu doador. Independente da distância não houve alterações nos resultados, inalterada também a velocidade da transmissão.Mas o que isso significa?

Gregg Braden diz que isso significa que as células vivas se reconhecem através de uma forma de energia não reconhecida, com antecipação. Esta energia não é afetada nem pela distância, nem pelo tempo. Não é uma forma de energia localizada, mas uma energia que existe em todas as partes, e o tempo todo.

EXPERIMENTO 2– Realizado pelo Instituto Heart Math, foi observado o DNA da placenta humana, que foi colocado em um recipiente, onde podiam ser medidas as suas alterações. Foram distribuídas 28 amostras em tubos de ensaio, para um mesmo número de pesquisadores, previamente treinados. Cada pesquisador foi instruído para gerar e emitir sentimentos, e cada um podia ter fortes emoções. O que se descobriu foi que o DNA se alterou, de acordo com os sentimentos de cada um. Quando sentiram gratidão, amor e estima, o DNA respondeu relaxando e seus filamentos se estirando. O DNA ficou mais longo. Quando sentiram raiva, medo ou estresse, o DNA respondeu se encolhendo. Tornou-se mais curto e muitos códigos se apagaram. Agora sabemos que quando estamos carregados por emoções negativas, nossos corpos também se afetam. Os códigos de DNA se conectaram novamente quando os pesquisadores tiveram sentimentos de amor, alegria e gratidão e em muitos casos houve a cura física de doenças.

Gregg Bredon disse que a energia parece ser uma rede tecida de forma ajustada, e que conecta toda a matéria. Essencialmente podemos influenciar essa rede de criação por intermédio de nossa vibração.

PENSAMENTOS, SENTIMENTOS E EMOÇÕES são vibrações. Transformam a matéria onde são projetadas. Por esta razão devemos tomar cuidado com nossos pensamentos e sentimentos. Muitas pessoas se exercitam, come alimentos saudáveis, bebem muita água, mas vivem com raiva ou pessimismo… Assistem noticiários negativos, assistem filmes de violência, falam muito sobre doenças, crises financeiras, conflitos e guerras. Geralmente não entendem porque ficam doentes ou deprimidas.

O ALIMENTO QUE INGERIMOS É IMPORTANTE, MAS AS EMOÇÕES SÃO O ALIMENTO DA ALMA, E ESSE ALIMENTO (AS EMOÇÕES), INFLUENCIAM A NOSSA SAÚDE E O NOSSO DESTINO COMPLETAMENTE.

QUE TAL SER AMIGO DE SUA ALMA? Veja coisas bonitas, engraçadas, divertidas, alegres, românticas, interessantes. Deixe tudo que é negativo fora do seu círculo energético. A chave para se obter um resultado entre os muitos prováveis e possíveis que nos cercam, reside em nossas habilidades para escolher nossas emoções e sentir que nossa escolha já está acontecendo. Vendo a oração por este prisma, como SENTIMENTOS, somos levados a encontrar a qualidade do pensamento e da emoção, que produz este sentimento:

VIVER COMO SE O FRUTO DE NOSSA PRECE JÁ ESTIVESSE A CAMINHO.

Se pensamento, sentimento e emoção não estão alinhados, não há união. Portanto, se cada padrão se move em uma direção diferente, o resultado é uma dispersão de energia. E o resultado da oração não é recebido por quem ora. Se por outro lado, os padrões de nossa oração, se centram na união, como pode o material da criação, não responder a nossa prece? Podemos concluir que: Possuímos muito mais poder do que imaginamos. Portanto, quanto mais amor deixarmos fluir por nossos corpos, mais adaptados estaremos para enfrentar o que possa acontecer em nossas vidas. E podemos conduzir todo o nosso planeta, mediante nossos pensamentos positivos de forma coletiva, para o melhor futuro possível.

Neuro hormônios associados a felicidade

Em nossos corpos existem quatro substâncias químicas naturais que quando ativadas oferecem ao organismo uma sensação de felicidade e bem estar. Descobertas científicas mostram que uma pessoa estressada diminui os níveis dessas substâncias. Porém, quando você aprende a acalmar a mente, ter consciência emocional e alinhamento com a sua essência, aumenta significativamente este quarteto da felicidade.

Essas substâncias são as seguintes:

DOPAMINA: Tem a ver com motivação. Nos faz ir em direção a nossas metas, objetivos e necessidades que quando alcançados nos trazem um sentimento de prazer. O baixo nível de dopamina faz com que uma pessoa seja menos propensa a trabalhar por um propósito.

SEROTONINA: Quando ativada nos traz um sentimento de importância na vida. Você não sente vazio existencial e muito menos solidão. Uma boa estratégia para elevar este hormônio é lembrar-se de momentos felizes. Também praticar exercícios aeróbicos, fazer massagens, tomar sol…

ENDORFINA: É considerado um analgésico natural. Ao ser ativado traz sensação de conforto e melhora estado de humor.

OCITOCINA: É considerado o hormônio do amor e tem posição de liderança sobre os outros hormônios acima. Constrói relacionamentos saudáveis, cria intimidade e confiança.

Através da meditação e as técnicas de gratidão, perdão, amor, intenção e conexão, você consegue:

acalmar a mente+ ter consciência emocional + alinhamento com a sua essência= AUMENTO DE DOPAMINA, SEROTONINA, OCITOCINA, ENDORFINA

Parece uma coisa impossível, não é mesmo? Quem sabe você tenta? Conhecer o funcionamento da sua mente e como seu cérebro responde a determinados gatilhos, aumenta a sua percepção em identificar quem são os sabotadores da sua felicidade, bem estar, abundância e prosperidade. Nossos condicionamentos mentais interferem e muito na nossa evolução.

Napoleon Hill definiu um gênio como “aquele que tomou total posse de sua própria mente e a dirigiu para objetivos de sua própria escolha, sem permitir influências externas para desanimá-lo ou enganá-lo.

Quando você não acredita que algo é possível, seu cérebro não desperdiça tempo tentando. Por isso, não pense… comece hoje sua meditação. Não ouça toda interferência sobre o porquê você não pode fazer. Apenas se concentre no porquê você pode fazer. Foque seus pensamentos sobre as possibilidades e não sobre os obstáculos. Os maiores obstáculos que você enfrentará virão ao arranjar desculpas em vez de agir.

Certamente a sua paciência aliada a sua persistência farão uma imbatível combinação de sucesso…

Porque estou dando estas dicas pra vocês? simples… quando executamos uma ideia que se origina do coração, temos a responsabilidade de informar as outras pessoas sobre o que estamos fazendo. Muitas vezes os nossos esforços desencadeiam o mesmo desejo nos outros que estão inspirados, mas não sabem como começar.

Um dos maiores benefícios de ajudar os outros é o que recebemos em troca. Embora não ajudemos por razões egoístas, nossos atos nos proporcionam uma recompensa interna, que serve como nossa razão para continuar com nossos esforços. Nada de bom pode acontecer quando a apatia está no controle, sem crescimento, apenas decadência.

O sucesso na vida, depende da felicidade, e a felicidade não é encontrada de outra maneira, a não ser através do serviço, que é traduzido em um espírito de amor. Portanto mude sua atitude, mude seus resultados, mude sua vida!

Entendendo a diferença entre emoção e sentimento

Emoções geralmente são instintivas. Um evento desencadeante, que pode ser uma situação externa ou simplesmente nosso cérebro prevendo algo – gera uma emocional como medo, alegria, tristeza, raiva, alívio ou amor. Muitas vezes a resposta emocional acontece sem muito respaldo da nossa vontade consciente: apenas experimentamos a emoção de maneira súbita, porque nosso cérebro percebeu que algo está acontecendo e associou um significado e uma emoção a isso, pela forma como reagimos à mesma situação no passado. Em postagens anteriores, expliquei como funciona a nossa mente inconsciente: Córtex occipital… hipocampo/córtex pré-frontal… Dê uma olhada para entender melhor a continuação desse texto.

Então, isso não quer dizer que estamos conscientes de todas as nossas emoções, nem que não podemos provocar uma emoção conscientemente. Por exemplo: ver seu bebê sorrir pra você pode provocar alegria em seu coração, mas você pode provocar a alegria simplesmente pensando no mesmo episódio mais tarde, sem o estímulo real.

A palavra sentimento é usada para se referir a um retrato mental de uma emoção. Pense na emoção como basicamente como uma reação, enquanto o sentimento é a interpretação. Mais um exemplo: Você pode sentir a repentina emoção do medo, mas você não é obrigado a ficar apavorado e fugir. Você pode escolher se sentir centrado. Sempre que você se acalma, está escolhendo um sentimento diferente da emoção que poderia ter se manifestado.

Antes de decidir adentrar qualquer situação que exija desempenho máximo, tenha em mente como quer se sentir durante o processo e no fim dele, independentemente de quais emoções possam surgir ao longo do caminho. A partir daí, você vai exercer o autocontrole para alcançar este fim. Mais um exemplo:

Entro para uma reunião e de repente as pessoas começam a discutir. é provável que eu viva emoções imediatas como medo, raiva ou tristeza. A reação é bastante previsível… meu coração vai acelerar, minhas mãos vão suar, minha respiração fica ofegante. Em pouco tempo essas emoções irão trazer sentimentos de medo ou ansiedade. Ciente disso, posso escolher me sentir de outra forma na reunião, mesmo que as emoções sujam por instinto. Posso dizer a mim mesmo, que estas emoções estão apenas me dizendo que preciso ser firme em meu ponto de vista ou sentir empatia pelos outros. Posso respirar fundo, me acomodar melhor na cadeira e escolher ser uma fonte tranquila de força em meio à tempestade.

Ao escolher os sentimentos que quero gerar, meu cérebro estará mais propenso a se habituar. O medo de repente não parece mais ser tão ruim, pois meu cérebro entendeu que lido bem com aquilo. É quando deixamos de estar conscientes de nossos sentimentos que nos metemos em confusão. Se buscarmos experimentar a vida e todas as suas emoções e mesmo assim nos mantermos centrados, felizes, fortes e amorosos ao longo dos altos e baixos, então teremos conquistado algo poderoso.

 

 

O poder da vibração

Através dos nossos pensamentos, emoções e sentimentos geramos uma campo eletromagnético, ou seja, uma vibração. Você pode criar uma vida de infinitas possibilidades, mas para isso, precisa aprender a acalmar a mente, buscar a consciência emocional, bem como alinhar a sua essência.

É fundamental estamos abertos para observarmos as pequenas mudanças que ocorrem nas nossas vidas, à medida que ampliamos nossa busca por autoconhecimento. Se sua mente não é calma, você consequentemente não toma consciência do estado interior. Portanto, a mente pode ser seu maior inimigo, mas se você buscar conhecer como ela funciona, pode também se tornar sua maior aliada.

Tem uma história de alguns anos atrás, onde o treinador em um time resolveu separar seus atletas em 4 grupos:

GRUPO I= 100% DE SEUS ESFORÇOS FOI SOMENTE EM TREINO

GRUPO II= 75% EM TREINO E 25% EM VISUALIZAÇÃO, OU SEJA, IMAGINANDO, SENTINDO A VITÓRIA

GRUPO III= 50% EM TREINO E 50% EM VISUALIZAÇÃO

GRUPO IV= 25% EM TREINO E 75% EM VISUALIZAÇÃO

O grupo IV mostrou melhor resultado nas olimpíadas de inverno de 1980. Isso porque, engajando suas mentes vividamente, suas performances melhoradas, seus corpos obedeceram. Você não terá a vida que quer, mas terá a vida que está gravada lá no seu subconsciente. Por isso, é importante não apenas pensar, mas vibrar, ter iniciativa e sair de suas condições limitantes.

O vídeo que compartilho agora, acredito ser um grande incentivo a você que ainda acredita que não é capaz de ser o que quiser, na vida. Vale a pena assistir!

 

Vantagens da meditação

A prática meditativa ativa o sistema nervoso parassimpático de diversas formas – tira a atenção de assuntos estressantes, relaxa e traz um estado de consciência ao corpo. Ao estimular o SNP e outras partes do sistema nervoso, a meditação regular:

  • Aumenta a massa cinzenta na ínsula, no hipocampo e no córtex pré-frontal, melhora as funções psicológicas associadas com essas regiões, incluindo a atenção. , compaixão e empatia;

  • Reforça a ativação de regiões frontais do lado esquerdo, o que melhora o humor;

  • Diminui o cortisol, que está relacionado com o estresse;

  • Fortalece o sistema imunológico;

  • Ajuda a melhorar diversos problemas clínicos, como doenças cardiovasculares, asma, diabetes tipo 2, tensão pré-mestrual, dores crônicas;

  • Auxilia em muitos problemas psicológicos, como insônia, ansiedade, fobias e distúrbios alimentares.

 

Rei Salomão

O Reino de Israel, segundo a Bíblia, foi a nação formada pelas doze Tribos de Israel, surgindo no século XI a.C sob a liderança de Saul, seu primeiro rei. Sucederam-no Isbonet, Davi e posteriormente Salomão filho de David e Bate-Seba, sendo então o quarto Rei de Israel. 

Salomão segundo algumas cronologias, reinou de 1009 a.C a 922 a.C e reinou durante quarenta anos. O nome Salomão deriva em hebraico de Shalom, que significa “PAZ”, tem o significado de “Pacífico”. Foi adicionalmente chamado de Jedidias( em Árabe Sulayman) pelo profeta Natã, nome que significava em hebraico “Amado por Deus”.

Era um Rei muito jovem e muito sábio. Seu pai, o rei David, pouco antes de morrer convocou a Corte e anunciou seus príncipes: “ De todos os meus filhos( porque muitos me deu o Senhor), Ele escolheu Salomão para herdar meu trono”. Mas Adonias, filho primogênito de David proclamou-se pretendente ao Trono, mas segundo os profetas era vontade Divina que o sucessor fosse Salomão. Seu direito foi assegurado mediante ação decidida de sua mão Bete-Seba, do Sumo Sacerdote Zadoque e do profeta Natã, com a aprovação do já idoso rei David.

O novo rei mal entrara na adolescência e com grande responsabilidade. Uma noite, em sonhos, uma Voz lhe falou “Pede o que desejares e serás atendido”. Então implorou “Dá- me um coração entendido e sábio para julgar e discernir entre o bem e o mal”. Ouviu a promessa do Altíssimo: “Já que não pediste grandezas, nem a morte de teus inimigos, terás um coração tão sábio que ante de ti, ninguém te igualará. E terás riqueza e glória como nenhum rei teve ou terá”.

Assim começou Salomão, imbuído da Centelha Divina, o seu reinado. Era um rei pacifico, não era um líder guerreiro como seu pai, pois não precisou  e tornou-se um grande governante e um juiz justo e imparcial, e logo conquistou a amizade e admiração dos outros reis. Cumulavam-no de presentes valiosos, que vinham acrescer as riquezas já abundantes no reino.

O rei Salomão não perdia suas horas livres em ociosidade. Aproveitava esse tempo para elevar o espírito às regiões espirituais, filosóficas e poéticas. Deixou para posteridade “Provérbios”, Cânticos dos Cânticos” e Eclesiastes”.

No primeiro, tinha como tema recorrente o temor a Deus. Tinha consciência de que a sabedoria perderia seu sentido se não fosse guiada, especialmente em termos éticos e morais, pelo temor a Deus somente adquirido através do estudo da Lei e da prática de atos de bondade.

De suas observações sobre o desenrolar dos tempos, concluiu que “nada é novo debaixo do sol” e, deplorando a frivolidade humana, declarou: Vaidades de vaidades, Tudo é vaidade”.

O rei David, desejava construir uma casa para Deus, onde a Arca da Aliança ficasse definitivamente guardada, ao invés de permanecer na tenda provisória (Tabernáculo ou Santuário para os hebreus, existente desde os dias de Moisés). Este desejo lhe foi negado por Deus, por ter derramado muito sangue em guerras. No entanto isto seria permitido a Salomão seu filho, pois a vontade Divina de que a Casa de Deus fosse edificada em paz, por um homem de paz.

O inicio da construção do Templo de Jerusalém (Templo de Salomão) foi no quarto ano de seu reinado, e segundo o plano arquitetônico transmitido por Davi, seu pai.
O trabalho prosseguiu por sete anos. Em troca de trigo, cevada, azeite e vinho, Hiram, rei de Tiro, forneceu madeira (cedro) e operários especializados em madeira e pedra. Também contratou “um homem que soubesse lavrar, cinzelar, trabalhar com ouro, prata e ferro”. E veio Hiram- Abif, em sua mão foi lhe entregue a construção do Templo.

Edificaram-no no Monte Moriá, em Jerusalém. As paredes externas eram erguidas com pedras polidas que se encaixavam umas nas outras, sem necessidade do uso de qualquer ferramenta. Dentro, as salas eram revestidas de cedro, com adorno de flores em relevo.

O templo tinha uma planta muito similar ao Tabernáculo que anteriormente servia de centro de adoração do Deus de Israel. A diferença residia nas dimensões internas do Santo e do Santo dos Santos ou Santíssimo (salas), sendo maiores que as do tabernáculo. O Santo media 17,8 m de comprimento e 8,9 m de largura e 13,4 m de altura. O Santo dos Santos era um cubo de 8,9 m de lado.

Após a construção do magnífico templo, a Arca da Aliança foi depositada no Santo dos Santos, a sala mais reservada do edifício. Foi pilhado várias vezes. Seria totalmente destruído por Nabucodonosor II rei da Babilônia, em 586 a.C após dois anos de cerco em Jerusalém. O templo de Salomão durou 4 séculos. Décadas mais tarde, em 516 a.C, após o regresso de mais de 40.000 judeus foi iniciada a construção no mesmo local do Segundo Templo, o qual foi destruído no ano 70 d.C, pelos romanos, no seguimento da Grande Revolta Judaica.

Alguns afirmam que o atual Muro das Lamentações era uma parte da estrutura do Templo de Salomão, mas estudos científicos com datação atribuem ao muro idade próxima à década anterior ao nascimento de Cristo, podendo tratar-se do Terceiro Templo também destruído pelos romanos, não há comprovação de sua existência, não há registros extrabiblícos de sua existência.

Contudo Salomão foi efetivamente um grande construtor. Sua época historicamente considerada e arqueologicamente comprovada, e foi de grande prosperidade, e que pelos resultados de escavações arqueológicas e documentos diversos é possível estabelecer conclusões quanto á arquitetura atribuída ao Templo de Salomão, no que concerne a ornamentação, disposição das dependências, técnica construtiva, comparando a tradição bíblica com restos arqueológicos de outros templos do oriente.

O Templo de Salomão ocupa posição de destaque na simbologia Maçônica, sendo uma dos mais marcantes fontes de símbolos, alegorias e lendas para o ensinamento dos princípios Maçônicos.

A existência do Templo de Salomão é um mito, mas o Maçom não desprezará o repositório inesgotável de ensinamentos velados por alegorias que nos proporciona a história (ou lenda) da construção do Templo. Não desprezará a tradição dos Maçons operários, só porque a arqueologia ainda não obteve provas concretas e irrefutáveis. Nem mesmo negará a tradição bíblica por insuficiência de escavações arqueológicas. Na obra de Jules Boucher Simbólica Maçônica: “Os Maçons não tentamos reconstruir o Templo de Salomão; é um símbolo, é o ideal jamais terminado, onde cada Maçom é uma pedra, preparada sem machado nem martelo no silêncio da meditação”.