Ritual celta de unidade com a Terra

Escolha um local ao ar livre, em noite de lua cheia no meio rural. Precisa ser tão privativo e silencioso quanto possível. O fim da primavera, o verão e o início do outono são as melhores ocasiões para executá-lo. Você precisará de:

– Sal,

-Água

– 4 punhados de milho

– 1 garrafa de hidromel (não pode ser vinho)

– 1 cálice

– 2 vasilhas para o sal e para a água

– e um barbante bastante forte ou até mesmo uma corda

Magia Eclética: O Círculo Mágico

Se estiver seguro da privacidade do local, use um roupão, ou, melhor do que tudo, não use nada. Este é um ritual em que a ausência de roupas aumenta o efeito e o eventual resultado.

é de bom alvitre caminhar até o local escolhido, ao menos por uma parte do caminho, pois há nesse fato de caminhar pela serenidade da noite, em direção de um lugar sagrado de reunião, alguma que desafia qualquer tentativa de descrição.

É óbvio que quanto mais sangue celta você possuir, mais você reagirá ao ritual céltico, mas mesmo os de outra raça devem sentir um influxo de poder, devido ao fato de que os animais-totens são parte integrante da pré-história de todas as raças, e através desses totens qualquer pessoa pode receber os contatos que esse rito proporciona. Mais uma vez, a intenção com a qual se vai a um rito é o que lhe dá a solidez.

Ao chegar no local escolhido, escolha um trecho de chão plano e, com o barbante, faça um círculo suficientemente grande, que possa conter uma pessoa deitada. Quando o círculo estiver feito, certifique-se que dentro dele estão todas as coisas de que você irá necessitar. Estenda um tapete ou o que for que tenha trazido para se deitar e coloque o cálice com hidromel no centro do círculo. Carregue agora o sal e a água, como se segue:

Coloque o dedo polegar e o mínimo da mão direita juntos, mantendo esticados os três outros dedos. Aponte-os para o sal, e diga:

CRIATURA DA TERRA, EU TE ABENÇOO. MANDO SAIR DE TI TODO O MAL, PARA QUE POSSAS SER USADO NA LIMPEZA DESTE LOCAL DE TRABALHO. NA PRESENÇA DA LUZ, ESTA CRIATURA DA TERRA ESTÁ CARREGADA.

Faça o mesmo com a água. Depois misture o sal e a água e use esses elementos combinados para salpicar o círculo formado com o barbante. Agora, busque os pontos cardeais, de pé, no centro, olhando para fora. Você deve pegar o milho e caminhar para a parte leste do círculo, e atirar para fora dele um punhado de grãos, dizendo:

CERNNUNOS DOS DOZE GALHOS, EU TE DOU AS BOAS VINDAS. ABENÇOA MEU LOCAL DE TRABALHO E ME MANTANHA LIVRE DO MAL ESTA NOITE.

Caminhe então para o sul e atire outro punhado de milho, dizendo:

EPONA, ÉGUA BRANCA DAS COLINAS, EU TE DOU AS BOAS VINDAS. DÁ A TUA BENÇÃO AO MEU TRABALHO E ME LIVRA DE INTERRUPÇÕES DURANTE O TRABALHO DESSA NOITE.

Caminhando para o oeste, e depois de atirar o milho ao chão, deve, então, dizer:

MONA, VACA SAGRADA DA ILHA SAGRADA, EU TE DOU AS BOAS VINDAS. TRAGA UMA BÊNÇÃO AO MEU TRABALHO, E ME GUARDA DENTRO DESSE CÍRCULO.

por fim, passando para o norte, deve atirar ao chão, o resto do milho, e receber o último e maior dos guardiões, assim:

ARTOR, GRANDE URSO, ARTHUR E SENHOR DE LOGRES, EU TE DOU AS BOAS VINDAS. DEPOSITA UMA BÊNÇÃO EM MEU TRABALHO E ME CONCEDA PAZ NO CORAÇÃO, NA MENTE E NO CORPO, ESTA NOITE.

À proporção que se chama cada uma dessas figuras, ela deve ser visualizada tão nitidamente quanto possível. Quando tudo estiver feito, inicia-se a fase seguinte. Deite-se no centro do círculo, estendendo braços e pernas como se estivesse formando uma estrela de cinco pontas, colocando o cálice entre as coxas. Cuidado para nenhuma parte do corpo ficar de fora do círculo, isso iria alterar a simetria do desenho.

Quando se tiver chegado a este ponto, deitado em silêncio sob um céu enluarado, deve-se começar a construir os 4 grandes guardiões das Ilhas Bem-aventuradas, nos 4 quartos que o rodeiam. Acima, o quinto deles está suspenso, à espera: A Grande Caldeira de Deridwen, a lua em sua plenitude.

Fique calmo, deixe que os sons e os cheiros da noite sejam absorvidos pelo seu corpo. Leve ar aos pulmões em aspirações calmas e curtas, examinando cada cheiro e tentando identificá-lo. Ouça não apenas os sons da noite, mas o próprio silêncio, que é o mais poderoso dos sons. Deixe que a Terra o embale, relaxe sobre ela e sinta a Mâe Terra vindo de sob o seu corpo, para abraçá-lo e confortá-lo, pois você é um filho dela. Sinta a relva e o solo sob suas mãos e saiba que uma parte do seu corpo é feito da mesma substância. Observe a lua que sobe pela colina do céu noturno, e quando ela chegar ao seu ponto mais alto, feche os olhos e pense em si próprio como parte de uma roda. Essa roda começa a girar, como se mão gigantesca a estivesse girando juntamente com você, mas não precisa ter medo. A roda é semelhante a um carrossel cósmico, parte da Roda da Vida que gira sobre a turfa macia e verde da Inglaterra, ou semelhante àquelas espirais que se podem ver gravadas por mãos estranhas, nas silenciosas Cruzes Célticas, há muito tempo.

A roda, que é você, começará a girar mais depressa. Você faz parte de tudo o que essa raça da ilha já foi ou sempre será, e a roda, que você mesmo, irá erguer-se da terra, levando para cima a essência da sua raça, girando como o Castelo de Arianrhod, por cima, e para cima da grande caldeira que brilha sobre você, negra por fora, mas de um brilho prateado por dentro. Cada vez mais próximo, você girará, até ser parte da própria brancura, misturando-se a ela, e olhando para baixo, para a terra que jaz, em seu verde profundo, na luz que emana de você para ela.

O sacrifício está realizado. A essência da raça foi oferecido ao mais antigo dos cálices, para renascer e ser refeita. O campo jaz em torno, esperando que você traga consigo o Mistério do Cálice e o espalhe como uma bênção sobre toda a região. Longe, lá embaixo, há um pequeno círculo de luz, no qual estão deitadas minúsculas figuras. Em torno, erguem-se as quatro formas gigantescas, os Guardiões que foram invocados, vistos agora em sua estatura completa: um veado de doze galhos levantando os chifres altivos, o Cornígero, batendo aterra com as patas enquanto gira a cabeça para todos os lados; uma égua branca reluzindo ao lar, batendo um casco impaciente, sacudindo a cabeça, alerta a qualquer passo estranho, soltando pelas narinas leves flocos brancos de respiração; uma Vaca Branca e Preta, o mais antigo dos guardiões, tosando calmamente a relva enquanto espera, com a paciência que lhe é própria; e, ao norte, o Grande Urso, o ARTOR da nossa raça, balançando-se como fazem os ursos, de um lado para outro, guardando, como o Rei Urso sempre guardou os de sua espécie e sangue.

Mais uma vez, mesclado à brancura que o envolve, girando suavemente, mas flutuando de novo para a terra, cada vez mais próximo dela, você sentirá o chão relvoso receber novamente o seu corpo, e relaxará sobre ele, deixando-se amparar por ele. Agora, conserve-se deitado tranquilamente por algum tempo, e deixe que a visão, os sons e os cheiros voltem a encher o seu corpo, em retribuição ao que você trouxe consigo lá de cima – a bênção do Cálice. Leve os braços, lentamente para seus lados, mova seu corpo, sente-se, sem pressa, e deixe, que tudo que o rodeia lhe dê as boas vindas por seu regresso.

Pegue o cálice, mova-o para o leste, e deixe tombar um pouco de hidromel sobre a terra, dizendo:

CERNUNNOS DOS DOZE GALHOS, EU TE AGRADEÇO POR TUAS BÊNÇÃOS, E POR TUA PROTEÇÃO.

Então, deve ir para o sul e dizer:

EU TE AGRADEÇO, EPONA, POR TUA BÊNÇÃO E PELA DÁDIVA DA TRANQUILIDADE.

Então, indo para oeste, deve dizer:

MONA DA ILHA SAGRADA, EU TE AGRADEÇO PELA TUA BÊNÇÃO E PELA TUA VIGILÂNCIA.

Por último, vá para o norte e diga:

ARTOR, GRANDE URSO, ARTHUR E SENHOR DE LOGRES, EU TE AGRADEÇO PELAS TUAS BÊNÇÃOS, E PELA BELEZA E PAZ DESTA NOSSA TERRA.

Certifique-se de que uma gota de hidromel foi dada a todos os guardiões, e então, beba o que restou e reparta com a terra.

Agora desfaça o nó do barbante que constitui o círculo e enrole, movendo-se no sentido anti-horário dizendo:

ASSIM COMO ENROLO ESTA CORDA, FIQUE O CÍRCULO FECHADO.

Reúna suas coisas, veja se o lugar ficou agradável e limpo, e pode partir depois de ter tomado uma xícara de café ou chá, quentes.

Se este ritual for realizado regularmente, e no mesmo lugar, se tornará separado nos níveis interiores e será sagrado por direito próprio. Você verá que, se persistir, sentirá uma sensação de feliz acolhimento, ao se aproximar do local. Quanto mais for usado, mais rapidamente as quatro figuras serão construídas, e mais poderosas se tornarão. Isso logo começará a influenciar toda a região rural circundante. No que concerne à vida selvagem e à ecologia, este ritual trará satisfação e unidade com a terra, nunca sentida antes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s